Como estará o setor do retalho daqui a 10 anos?

Veja as alterações que se poderão sentir nos negócios de retalho nos próximos 10 anos.

É sabido que o comportamento dos consumidores e os métodos de fazer compras têm vindo a sofrer alterações. Mas já imaginou como estará o setor do retalho daqui a 10 anos? Se ainda não está a par das principais tendências do mercado empresarial nos próximos anos, conheça-as agora!

Negócios aliados às novas tecnologias

É importante de que forma as novas tecnologias estão a revolucionar a experiência do cliente, pois este paradigma já faz parte do nosso presente e irá intensificar-se no futuro.

A globalização das atividades económicas, a regulamentação do mercado, o paradigma digital e de e-commerce são outros fatores que têm vindo a modificar as empresas.

As compras estão cada vez mais digitais, os métodos de pagamento são cada vez mais simples, o recurso à Inteligência Artificial tem sido maior para facilitar e automatizar processos, como a gestão de stock, estudo do padrão de consumo dos clientes ou previsões financeiras, através do “Big Data”.

Pode optar por soluções mais básicas, mas que farão toda a diferença para o consumidor, como, por exemplo, oferecer Wi-Fi dentro dado seu estabelecimento ou disponibilizar tablets junto aos balcões de atendimento, para fazer inquéritos de satisfação do cliente.

Dinheiro em mão não é um problema

Não ter dinheiro na carteira deixa de ser um problema. Prevê-se que, no futuro, os pagamentos passem a ser quase todos feitos apenas em cartão, via smartphone ou online.

Aliás, são vários os exemplos que podemos observar atualmente, incluindo empresas de transporte que permitem a leitura de cartões para realizar pagamentos.

Caso tenha clientes estrangeiros garanta que o seu TPA tem DCC – Dynamic Currency Conversion –uma solução que a Redunicre lhe oferece, que consiste no pagamento com a moeda de origem do seu cliente. Como funciona? Primeiramente, o TPA reconhece de forma automática se o cartão está emitido numa das moedas convertíveis. Depois, se o pagamento for elegível para DCC, é apresentado no TPA o valor na moeda de origem e em euros, e a transação é efetuada na moeda que o cliente escolheu, e ainda recebe um valor adicional por essa compra!

A tecnologia Contactless é outra tendência cada vez mais presente. Em 2018, foram mais de 35 milhões de transações por Contactless. Com um cartão Contactless o seu cliente pode fazer pagamentos até 20 euros sem necessidade de inserir o PIN do seu cartão, basta encostá-lo ao TPA e o pagamento é feito, sendo um método de pagamento, pois cumpre todos os critérios de segurança dos sistemas de pagamento internacionais e atuam sobre o método tradicional de Chip e PIN.

A Redunicre dispõe de mais de 96.000 terminais com tecnologia Contactless ativa, que reduz cerca de metade do tempo da transação , reduz os custos de manuseamento de dinheiro e evita a formação de filas de pagamento.

No que diz respeito às compras e pagamentos online, segundo o INE – Instituto Nacional de Estatística, em 2018, cerca de 37% dos portugueses entre os 16 e os 74 anos, fizeram compras online, usando o smartphone ou um computador. Estes resultados mostram um crescimento de mais três pontos percentuais quando comparado com 2017.

O foco deve ser o cliente

O futuro passa, essencialmente, por tornar a experiência de compra mais centrada no cliente, transparente, apelativa e simplificada. Tudo o que é desenvolvido num negócio deve ser pensado na ótica do cliente.

Algumas empresas, inclusive, têm vindo a adotar uma tendência tecnológica denominada de “chatbot”, que permite auxiliar os clientes durante o processo de compra numa loja online. Tudo o que facilitar o processo de compra de um cliente é meio passo dado para estar na vanguarda.

Estes foram alguns dos temas debatidos no 3.º Fórum da Distribuição em Portugal, cujo tema foi “O Retalho 20-30”, evento no qual a Redunicre esteve presente, falando, sobretudo, sobre o impacto das novas tecnologias no retalho.

Este futuro não está tão longe quanto parece. Aposte na inovação e faça proveito daquilo que de melhor a tecnologia tem para oferecer às empresas.